terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

CAMINHOS E ENCRUZILHADAS

Há quem acredite que o que somos hoje é resultado da somatória das escolhas que fizemos ao longo da vida. Dizem até que, no astral, escolhemos deliberadamente nosso casal de pais .
Sinceramente não sei dizer se escolhi meu pai e minha mãe, mas, seguramente, eles tiveram grande influência no que sou hoje. Para o bem e para o mal.
Com temperamento dócil e natureza pacífica, sou o único filho de um pai centralizador e voluntarioso e mãe submissa e super-protetora. Guardem estas informações, para ler o resto da história.
Quanto à afirmação de que cada escolha minha determinou "a dor e a delícia" de ser o que sou, tomo-a com reservas. Que tipo de escolha qualquer pessoa pode fazer aos seis meses, por exemplo? Chorar ao primeiro sinal de fome ou dar um tempinho pra mamãe extenuada? Fazer cocô agora ou esperar trocarem a fralda, pra irritar? Aos cinco anos não escolhemos nem que roupa vestir.

Do que me lembro, a primeira escolha realmente importante e que poderia ter dado um rumo completamente diferente à minha vida, foi feita nos meus 13 anos. Mesmo assim, não foi exatamente uma escolha; foi uma "não escolha", o que pode ser pior.

Esta é uma idade bem conturbada. Repleta de mudanças interiores estrondosas. Nesse ambiente de guerra, com bombas explodindo dentro de mim, meu pai "escolheu" que eu deveria estudar em um colégio particular de ponta, pra me preparar melhor para a vida. Isso dentro do conceito dele do que seria "preparar-se melhor" e de que tipo de vida ele "escolhera" para mim.

Acabara de enfrentar uma seleção pior do que qualquer vestibular para ser admitido no melhor colégio público da região. Lembro até do tamanho da encrenca; os números ficaram gravados na minha mente: cinco mil candidatos para cem vagas. Eu teria de eliminar cinqüenta caras para ter o direito de sentar em uma carteira velha e apertada, de madeira dura, e ficar cinco horas por dia ouvindo preleções sobre assuntos totalmente desinteressantes, feitas por professores cansados e nervosos que recebiam um salário de subsistência e detestavam crianças dessa idade.
Para isso, tinha passado o longo e tenebroso ano anterior em um cursinho preparatório que garantia aos pais, sucesso absoluto no tal exame de admissão. Cumpria o que prometia. Seus cem alunos preenchiam de A a Z as cem vagas existentes. Para atingir essa excelência de resultados, montavam uma espécie de campo de concentração para menores, onde o castigo físico e a humilhação eram usados sistematicamente como instrumentos de "estímulo ao estudo", com ciência e anuência explícita dos pais. Sim, eles eram avisados de que levaríamos porrada.

Como podem ver, até agora não fiz nenhuma escolha e aderi incondicionalmente às escolhas feitas por outros.
Depois de todo esse sacrifício e da tamanha vitória recém conquistada, deveria abandonar tudo, inclusive meus amigos, com quem jogava bola nos campinhos de terra batida, brincava de guerra de mamona e fazia leitura coletiva e clandestina dos catecismos do Carlos Zéfiro; deveria largar tudo isso, para percorrer diariamente 50 quilômetros - o que implicava em acordar duas horas mais cedo e chegar duas horas mais tarde - para estudar em um colégio forte, de tradição, conviver em um ambiente de colegas hostis (pelo menos é o que eu achava) e passar o resto das minhas poucas horas estudando um volume enciclopédico de matérias, até que conseguisse passar no próximo vestibular.

Para ser admitido nesse colégio, era preciso passar por um exame de conhecimentos e outro de avaliação psicológica. Este último, era aquele famoso teste dos borrões (hoje sei que se chama Teste de Rorschach) , no qual, umas pranchas com borrões de formas abstratas são apresentadas ao candidato e ele deve dizer o que vê em cada uma delas. A interpretação do teste parece ser difícil e exigir grande preparo do avaliador, mas, basicamente, consiste em julgar a personalidade do indivíduo por aquilo que ele consegue "ver" nos borrões. Lembro de que não via nada além do borrão, mas fazia um esforço supremo pra dizer alguma coisa, porque pensava: "Se eu não vir nada aqui, esse cara não vai me deixar passar no teste". Por mais que me esforçasse para ser criativo, só consegui ver duas coisas em todas as pranchas: morcegos e... borboletas. Até hoje não sei o que isso significa. Será que borboletas indicam tendências homossexuais ou isso aconteceria se eu tivesse visto, por exemplo, libélulas? Serão os morcegos projeções de uma psique doentia e obscura, com tendências homicidas ou apenas o resultado contaminado pelo gibi do Batman que eu viera lendo no caminho? O fato é que não devem ter visto nada muito comprometedor, porque, depois de uma curta espera, nos mandaram ir para a sala de matrícula.

Foi então que aconteceu o momento mágico. Não sei se foram os borrões ou a busca desesperada para ver qualquer coisa (ou me ver) neles, mas algo muito forte se moveu dentro de mim. Uma espécie de terremoto interno. Esse movimento fez abrir à minha frente a primeira das milhares de encruzilhadas, atalhos e bifurcações que a vida apresenta, para que a gente escolha qual dos caminhos seguir. Sem nenhuma indicação de onde vai dar, sem mapa e sem GPS. De modo que a gente nunca sabe - nem nunca vai saber - se aquela era mesmo a melhor escolha. Perverso, não?

Nessa idade eu já adorava fotografia e fazia meus ensaios com uma Kodak Instamatic. Por ironia, meu pai tinha me levado a visitar, na semana anterior, um dos maiores - talvez o maior - estúdio fotográfico publicitário de São Paulo, na época. Era uma verdadeira mansão. Seu galpão de fundo infinito comportava até vários caminhões. O laboratório e os equipamentos eram o que existia de mais avançado e sofisticado: Ampliadores Durst (vários), câmeras Hasselblads (umas cinco), com todos os tipos de lente, duas Linhoff de fole para cromos de até 9 x 12. Todos os meus sonhos estavam ali.

O dono do estúdio era um catalão chamado Marcel Giró. Quando era fotógrafo amador, fizera as fotos do casamento dos meus pais, por amizade. Morava numa cidadezinha do interior, onde tinha uma pequena indústria. Na crise que se seguiu à queda da bolsa de Nova York, em 1929, perdeu tudo o que tinha, menos a sua Rolleyflex de lente dupla. Sem perspectiva, veio para São Paulo e começou a trabalhar com a única coisa que sabia fazer e com a única ferramenta que lhe tinha sobrado: sua Rolley. Entre os anos 50 e começo dos 70, num ambiente de franco crescimento econômico e uma mudança radical na cultura da publicidade, onde a imagem passou a ser o grande instrumento de comunicação, Giró, talentosíssimo e inteligentíssimo, pegou a onda e construiu o que havia de melhor em foto publicitária no país. Além disso, foi um fotógrafo de arte respeitado, tendo ganho vários prêmios internacionais.
Sentei em uma cadeira na sala de matrícula, ao lado do meu pai que conferia os documentos exigidos. Fiquei uns instantes com o olhar perdido. Quem me visse, diria que eu estava "viajando". Mas, a visão que eu tinha era clara: dois caminhos, dos quais eu só via os primeiros cinco metros: um me levaria à mesa da secretária, logo ali em frente; o outro me levaria aos meus sonhos. Aquele movimento interno continuava tão forte, que, pela primeira vez, ousei contestar uma "escolha" do meu pai. Timidamente, quase já me desculpando, virei para ele e disse:

- Pai... eu não quero...
Ele desviou os olhos da papelada:
- Não quer o quê?
- Não quero me matricular.
- Como assim?
- Não quero vir pra esse colégio. Eu quero fazer fotografia. Quero ir trabalhar com o Giró.
Estas três últimas frases sairam num jato só. Rápidas. Meu coração batia acelerado e forte. O golpe, fulminante e violento, estonteou o velho. Ficou olhando para os papéis da matrícula, sem dizer nada, o rosto impassível. Eu olhava para sua face, tentando adivinhar de que lado viria o tapa. Ao mesmo tempo, sentia uma expectativa alegre, como quem torce pra ouvir seu número num sorteio. Não sei quanto tempo durou este silêncio. A reação do meu pai foi a menos esperada. Quando falou, as palavras sairam baixas e calmas.
- Bom, isso é uma coisa que você tem de decidir agora. Não posso pagar essa matrícula cara e assinar o contrato se você não vai ficar aqui.
Como? Eu, decidir? Eu podia decidir? Podia escolher? Que história é essa? Enquanto eu pensava nisso, aturdido, ele acrescentou.
- Só que tem uma coisa. Deixar de estudar, você não vai. Vai ter que estudar à noite. Quer ir trabalhar com o Giró, hoje mesmo eu falo com ele. Ele deve estar precisando de um garoto pra varrer o estúdio ou ajudar a montar os tripés.
Eu ouvia, sem retrucar.
- Você não está pensando que vai trabalhar naquele estúdio como fotógrafo, né? No máximo, vai ficar como auxiliar de laboratório ou contínuo pra servir café e ir ao banco. Com o tempo, talvez...
Mas é muito difícil. Ele já tem equipe, como você mesmo viu. Contou quantas pessoas preparadas trabalham naquele estúdio? Que chance você acha que tem? E outra. Eu ia pagar uma perua para você vir para o colégio. Mas, se você for trabalhar, vai ter que pegar trem e ônibus. A perua a gente racha com os outros pais. Mas não tem perua para o estúdio, né?
À medida em que ele falava, aquele movimento interno foi cessando. Meu coração retomou o ritmo normal. A visão onírica da minha vida como fotógrafo foi se esvanecendo e os dois caminhos foram se tornando um só. Levantei e caminhei em direção à mesa da secretária. Meu pai me seguiu.

Como disse, foi uma "não escolha". Neguei meu sonho. Não paguei pra ver. Minha "não escolha", naquele momento determinou um caminho para mim. Não há julgamento crítico, nisso. Não tinha, então, estrutura interna pra comprar a briga. Tive medo do que poderia acontecer após a primeira curva. Fiz uma fantasia de que, se não desse certo, estaria sozinho e não poderia voltar. Optei pela segurança. Fiz mal? Fiz bem? Como disse, nunca vou saber.
Porém, anos depois, soube de fatos que me deram uma pista de que aquele caminho do estúdio do Giró, poderia ter sido um bom caminho.

Naquele mesmo ano, ou um pouco depois, veio para o Brasil um garoto catalão, nascido em Barcelona . Chamava-se José. Deviam ser amigas, já na Catalunha, a família Giró e a família de José. O fato é que ele, menino ainda, quase da minha idade, foi trabalhar no estúdio que me fizera sonhar. Não sei se varreu o chão, se limpou banheiro, se montou e desmontou equipamentos, se ficou inalando ácido acético dentro da câmara de revelação ou se foi ao banco pagar as contas do chefe. Cumpriu seu caminho e ficou lá aprendendo. Enquanto isso, eu também cumpria o meu.

O menino José hoje é mais conhecido pelo seu nome artístico: J.R. Duran.

14 comentários:

Andréa N. disse...

Tô morrendo de sono agora, então volto aqui amanhã pro costumeiro cafezinho e pra me deliciar com suas palavras. Só queria rapidamente antes disso, te convidar informalmente a participar da corrente que a Lucia Malla começou lá no blog "Faça a sua Parte", escrevendo sobre 3 atitudes ecoconscientes que vc pratica ou gostaria de praticar. Achei ótimo esse tipo de corrente. Amanhã volto aqui. Beijo. Yawn... g'night.

=Deyse disse...

Olá... Bom, primeiro deixa eu me desculpar. Quase todo dia visito seu blog, sempre fico encantada com seus textos, e seu blog está linkado no meu. Mas nunca deixei sequer um comentário, por uma razão covarde de imaginar que uma pessoa que escreve textos como os seus não queira saber a opinião de uma amadora como eu. Mas não teve jeito. Eu tenho que comentar esse post. Primeiro para que você saiba que o admiro sem conhecê-lo, e que esse texto caiu como uma luva devido a uma escolha que tive que fazer alguns meses atrás: seguir meu sonho ou escolher a segurança (lê-se: largar uma faculdade pública e um cargo ótimo, seguro e registrado, ou ser publicitária. Era ou um ou outro) Escolhi o segundo, minha faculdade de Publicidade (particular, ai meu bolso) começa final do mês e ainda estou com medo do que vai acontecer. E ler um texto como esse me dá pitadas de esperanças que sim, fiz a escolha certa. Obrigado e vou continuar passando por aqui. Sempre. Até mais...

Anônimo disse...

Nossa, cheguei a me arrepiar...

Andréa N. disse...

Nossa, Paulo, que viagem esse texto. Tao honesto e verdadeiro e ao mesmo tempo parece um sonho, uma estoria. Daria um excelente filme. Ta vendo? Nossas vidas, por mais que achemos que sao normais e desinteressantes, sao tao ricas e maravilhosas. Fiquei feliz e triste lendo esse post. Adoro isso. E me fez lembrar das minhas escolhas e nao-escolhas, tambem. A vida gira demais, vai saber o que seriam nossas outras vidas, e se melhores ou piores. O filme "A Dona da Historia" sugere um pouco isso. O "e se...".
Vc eh muito corajoso de se abrir assim pra gente e de forma tao poetica. Excelente.

Paulo de Tarso disse...

Déa: não tenho podido evitar os temas confessionais. Eles têm vida própria e teimam em sair. Vi "A Dona da História". É um filminho bem despretencioso, mas muito poético e dá mesmo essa visão do "futuro alternativo". Numa linha mais lúdica e sem pretensões de maior profundidade, mas muito bem feita também, a trilogia "De Volta para o Futuro", do Zemeckis também trata do tema com um roteiro muito bem amarrado.Beijo!
P.S. Vou pensar e aderir ao convite do "Faça a sua Parte".

Deyse: Obrigado pela visita e pelo carinho. Estou muito feliz com a sua vinda. Não deixe de vir sempre; e deixe os seus textos aqui também. Quanto à sua escolha, penso que você teve mais coragem do que eu. Acho que os corajosos são recompensados. Penso que a omissão é pior do que a ação. Mas, penso também que cada um de nós tem o seu papel e sua dinâmica próprios.
Volte sempre. Vamos ser amigos. Abração!

Anônimo: Seja bem-vindo(a) e obrigado.

Andréa N. disse...

Tu ta arrasando paris em chamas, hein, Paulo. Qualquer hora esse blog vira livro. E eu vou querer um autografo.

Chato, O Chato. disse...

Foi o melhor até agora! Fez bem afastar da banda! Bjo.

Ferdi disse...

Paulo, durante anos amparei-me nesse pensamento mágico representado pelo "se" sem peito para assumi-lo como caminho. Um dia, finalmente, criei a coragem de trocar o emprego, a boa posição e o salário avantajado pelo abismo do nada. Fui atrás do meu sonho, perambulando pelas hostilidades da África. Demorei 35 anos pra fazer isso. O sonho rendeu uma viagem intensa que me mostrou como é bom viver o mundo real, longe das proteções climatizadas que criamos pra nós mesmos no dia-a-dia. Mas durou três meses, antes que eu aterrisasse novamente dentro do cercadinho criado pela sociedade para separar a normalidade da loucura.

Paulo de Tarso disse...

Chato:Só o tempo dirá, se eu fiz bem; por enquanto estou resolvidíssimo...

Ferdi:Isso é o que se pode chamar de aventura, em todas os significados da palavra. Garanto que você não voltou a mesma pessoa. Mas, nesse cercadinho, você ficou do lado da "normalidade" ou da "loucura"?
Essa tua história não dá um post; dá um livro, né?

Ferdi disse...

Olha paulo, tô de novo do lado da normalidade. Mas de olho num buraco na cerca que aponta pra Angola... E faz um ano que tô tentando fazer essa história virar um livro... (rs)

M. disse...

Paulo, num comentário bem egoísta, digo que vc fez a escolha certa. Ao contrário, vc não seria amigo da minha mãe, e eu não teria te conhecido e não poderia estar lendo seus belos textos e contando com a sua amizade. E adorei ver o Ferdi aqui! Meus amigos queridos se conhecendo e trocando idéias! Oba!

Carlinha disse...

Paulo, os "se" sempre vão nos acompanhar, feliz ou infelizmente.
Por segurança, não pude me arriscar como muitos colegas. Já cedo, por escolha, resolvi morar sozinha.
Estas escolhas me impedem de arriscar em oportunidades de trabalho que talvez me realizassem mais do que a estabilidade no emprego.
Enfim, em vias de completar os 30 anos, tarde ou não, dei um grito de liberdade, arrisco-me a aceitar um convite num emprego com durabilidade de dois anos.
Loucura? Continuo morando sozinha.
Mas se eu não arriscar nunca, ficarei apenas no "se".
Em teu caso, treze anos, é uma idade cruel, teria feito a mesma coisa, haja vista que após ponderar muito só tive força para coisa semelhante muito tempo mais tarde.
No mais, a história, o jeito que conta, é fantastico.
Faço coro com a Déa, quero autografo no livro e me sinto honrada por conhecer-te, mesmo que virtualmente.
Beijo grande do fundo do coração!

Deyse Libano disse...

Até hoje, esse é o meu texto preferido.

Déjà vu Collectors disse...

Sorry, I don't speak portuguese.
My name is Toni Ricart Giró. I'm the nephew of Marcel Giró.
Marcel died last month in Barcelona, he was 98 years old.
Now I'm preparing a book with his photographic work, and I'm looking for people who knew him when he was living in Sao Paulo to ask them for a small text talking about Marcel and his work. I would like to start the book with a compilation of opinions on Marcel Giró.

If you knew him, could you please contact me? thank you.
dejavucollectors@gmail.com