sábado, 9 de dezembro de 2006

QUERO COLO!

"Morrer deve ser tão frio, quanto na hora do parto"*

Gilberto Gil

-Já cortou o cordão?
-Pronto!
-Mostra pra mãe.
-Olha que lindo o seu bebê.
-Põe meu menino aqui no meu colo...

-Tá chorando!
-Vem no colo da mamãe, vem.
-Hora de mamar, querido...

-O que aconteceu? Caiu, meu filho..
-Ai, ai, ai que dodói..
-Vem aqui no colo da mamãe que passa...

-A gente perdeu, pai... De três a zero...Droga!
-Não fica triste, meu filho... Depois você ganha o próximo.
-Eu perdi um pênalti, pai!
-Vem aqui no meu colo, vem... Perder faz parte do jogo.

-Mãe, eu adoro ele, mãe...Ele não tá nem aí comigo!
-Não liga, não, minha filha. Vai passar. Tem muitos outros por aí..
-Mas nenhum como ele, mãe!
-Vem aqui no meu colo, vem....

-Querida, como eu amo você!
-Meu amor, deita aqui no meu colo...

-Ai, que delícia! Como foi bom...
-Nossa! Nunca foi tão forte... Tô até tremendo...
-Vem cá no meu colo, meu bem...

-Eu juro que vi, mãe... Tenho certeza. Saindo do motel...
-Vai ver era outra pessoa, filha...
-Não mãe, não era não. Nunca pensei que isso ia acontecer com a gente...
-Vem cá filha, fica aqui no meu colo... Vai passar...

-Mamãe.. o papai não resistiu...
-Ai, meu Deus... Ele era tão forte? Como eu vou fazer sem ele, agora?
-Eu estou aqui com você, mãe. Encosta aqui no meu colo...

-A mamãe morreu!
-Ah, meu Deus, que coisa triste...
-Todo mundo vai, um dia...Deita no meu colo... descansa um pouco.

-Olha o monitor...
-A freqüência está baixa, né..
-E a pressão também... Tá sem ritmo...
-Melhor chamar o Dr.
-Coitado! Dá vontade de pegar no colo... tão sozinho... ninguém da família veio hoje...
-Colo não pode dar... Mas pega mais um travesseiro pra ele...
-Não, não adianta mais. Olha o monitor...
-Parou!....

* ...com a diferença que, depois do parto, a gente vai para um colo de mãe; depois da morte... tem colo?

Ilustração: Mira Reisberg

15 comentários:

Andréa N. disse...

Ah deus meu, essa foi forte pro domingão, Paulo, não faz isso, menino.
Colo...
Será que tem colo depois da morte? Eu acho que não, mas aos domingos eu sempre acho a morte mais fácil, mais quente, mais simples e amiga. Aos domingos ela resolveria tudo nesse mundo nefasto. Amanhã volto aqui com uma resposta menos sombria, tá?

Carlinha disse...

Bom depois da morte, ainda não sei.

Mas colo é consolo, em qualquer fase da vida.

Pena que ultimamente meus consolos tenham vindo de maneira virtual.

Sem o contato físico do afeto, mas sana o problema de forma paliativa.

Palavras carinhosas, escritas por amigos também podem ser "colo".

Bonito texto (bem real).

Abraços!

PS: estava pronta para enviar o texto quando piscou o alerta de uma mensagem tua, vou ler.

O Chato disse...

Cada vez melhor! Mas você precisa se animar um pouco! Os últimos 3 textos têm funeral ou morte...

Bjo!

ipaco disse...

dá o que pensar, paulo. O ciclo da vida inteira, a família, o colo... a morte. Também ando escrevendo muito sobre esse fato incontornável. Será a idade?

Paulo de Tarso disse...

Andréa... Sorry...sorry! ;-)

Carla: como você disse; colo faz falta em qualquer fase da vida... Mas em algumas, faz muito mais falta...

O Chato: Observador, mesmo! Já pensou em fazer psicologia? Sem ironia, sério... Você é um grande humanista. Embora faça seu trabalho com talento e competência, penso que largou um lado seu muito forte...

Paulo Thiago: Tenho certeza de que a idade tem muito a ver com a recorrência deste tema...

Obrigado pelo colinho de todos!

Edu disse...

Como sempre, surpreendende e contundente. Mas vai da leitura de cada um, né ? A minha foi ótima. =]

Passa lá no arerê e dá seu pitaco.

Abração.

Edu
=]

Andréa N. disse...

Hmmm, continuo achando a morte interessante, Paulo, apesar de hoje ser segunda-feira e o mundo inteiro me parecer menos sombrio do que aos domingos. Venho pensando muito na morte. Tenho refletido sobre o mundo como um todo, a sobrevivencia da nossa especie, a continuacao da nossa civilizacao e nao consigo encontrar esperanca e fe no ser-humano. Serio. Cada vez mais acho que o ser-humano nao parece estar evoluindo, ao contrario, me parecem estar ficando cada vez mais burros, egoistas e futeis. O planeta esta sendo diariamente destruido por conta disso; direitos humanos massacrados e ignorados nos quatro cantos (como sempre e talvez mais) e animais , mulheres e criancas (os ditos "mais fracos") cada vez mais calados a forca. Ignorados.

Hmmm... sei nao, a morte nessas horas parece tao amiga; colinho quente; sossego merecido; fim dos problemas. Pelo menos por um tempo...
Sorry!

M. disse...

Nossa, para uma pessoa melancólica como eu, esse texto cala fundo.
Melancólica e que também sempre está em busca de colo e lida muito mal com a idéia de morte.
PS. Adorei a ilustração e o post também, claro.

Paulo de Tarso disse...

Edu, Déa e Má: Certa vez, uma amiga minha usou a palavra que achei perfeita para nos definir (ela falava de nós dois). Disse: "Paulo, nós somos pessoas inconformadas". Achei o termo perfeito: realmente, não me conformo.
Pelo que li da Déa e da Má (que eu já conheço um pouquinho mais) penso que elas são muito inconformadas, também.
O Edu tá numa fase mais, digamos, construtiva. Virando a própria mesa e indo pra frente. Maravilha!
Quanto a mim... bem...well...sorry, folks! "Perdoem a cara amarrada, perdoem a falta de abraço, perdoem a falta de espaço.. os dias eram assim"

Andréa N. disse...

Ah, Paulo, ate depre vc eh uma gracinha. Sabe, ha muitos eons atras, eu e Edu eramos dois inconformados. Juntos, criavamos teorias e filosofias de botequim. Uma tristeza de dar gosto, vc devia ter visto. E era tao bom. Edu, saudade daqueles nossos tempos inconformadissimos.

Beijao e levanta e sacode essa poeira, va!

Lia Noronha disse...

Paulo: cortar o cordão umbilical é doloroso...mas extremamente necessário.
Abraços mil de boa semana pra vc.

Saramar disse...

Também quero um colo. Há tantos aqui neste lindo texto.

O colo não é a extensão do útero?
Não é o próprio amor ?

beijo

M. disse...

Certa vez ouvi a frase: "quem leu apenas um livro não tem dúvida". Eu tenho questionamentos sobre mim e sobre o mundo o tempo todo. Não sei ser diferente. O desafio é não viver esse inconformismo de maneira negativa. Ás vezes fujo um pouco desse objetivo, mas sempre o busco.

Paulo de Tarso disse...

Andréa: adorei o "uma tristeza de dar gosto"; isso é mesmo maravilhoso...

Lia: Cortar o cordão, tudo bem... mas com colinho depois, pelo amor de Deus!!!

Saramar: Os colos são muitos mesmo. O grande questionamento do texto é uma variação da eterna questão metafísico-religiosa "Haverá vida após a morte?" Fiz uma pequena adaptação para "Haverá colo após a morte?"

M.: Não vejo possibilidade de haver inconformismo sem dor; e dor é negativo; a menos que você a encare como a nossa amiga Andréa, que escreveu aí em cima: "Uma tristeza de dar gosto". Adorei isso!

Todas: obrigado pela presença! A vinda de vocês e a amizade que passam já é um colo bem grandão!

Carlinha disse...

Seu carinho com os amigos que te visitam também é colo, obrigada!
Estou saindo da fase deprê...
Mas concordo com a Andréa, as vezes a morte soa tão confortável, quando a encaramos como fim dos problemas da vida.
Pena que dura pouco, pois acredito em continuidade da vida, boa saída para não cometer loucuras né?
Beijos!