quinta-feira, 17 de agosto de 2006

NO MEIO DO CAMINHO TINHA UM DRUMMOND

Ok, tá bom. Todo mundo está lembrando da efeméride (arghhh!!!!). Dezenove anos da morte de Drummond.
Lembro quando ele fez 80 anos. Foi, logicamente, um acontecimento. A imprensa não parava de falar disso. Mil homenagens, etc. Numa entrevista declarou, não exatamente com essas palavras: "Não vejo razão pra tudo isso. Não há mérito nenhum em fazer oitenta anos". Concordei com ele, na época.
Carlos era assim..."gauche na vida". Enquanto todo mundo comemorava, ele não via graça naquilo.
Se estiver vendo essas comemorações do seu aniversário de morte, deve estar balançando a cabeça em reprovação. Se o cara já não via mérito em fazer aniversário de nascimento, imagine se ele iria curtir comemorar o aniversário de morte.
Tá, é uma data que remete, faz a gente lembrar da obra dele, etc. Mas, cá entre nós, a poesia do Drummond precisa de data para ser lembrada ou comemorada? E, se a resposta for afirmativa, alguma coisa está errada, não?
Então pára de ler isso aqui, vai na estante, pega o primeiro livro dele que achar e leia. O que? Não tem nenhum? Corre e vai comprar!

2 comentários:

Andréa N. disse...

Haaaa, muito bom!!

M. disse...

Vc tem razão. Mas sem querer me justificar, a verdade é que não resisti em postar o poema. Ela tinha tudo a ver com o meu dia também. beijos.